Por que o dependente químico mente?

Um dos vários símbolos atrelados à figura do dependente químico no imaginário social é a de que ele é um ser invariavelmente mentiroso. A visão é corroborada por vários meios, dentre eles, pelos próprios dependentes em recuperação.

Negar que a mentira faça parte do cotidiano do dependente de substâncias é ignorar a realidade. A mentira, assim como a omissão, está presente na vida de qualquer pessoa e faz parte do nosso dia a dia. Em certa medida elas são necessárias para nossa sobrevivência social. Se falássemos a verdade para tudo e todos, ou não omitíssemos absolutamente nada, estaríamos fadados ao fracasso na nossa vida social e nas outras esferas que dela dependem. No entanto, quando a serviço da manutenção do uso de substâncias, a mentira pode se tornar uma ferramenta muito nociva.

primeiro mentiroso

“O primeiro mentiroso” – Filme conta a história da invenção da mentira em um mundo onde ela não existia

Nas mentiras que são contadas por um usuário de substâncias é comum ouvir que não fez uso, que não resta mais droga para se usar, histórias que justifiquem um gasto ou a necessidade de um dinheiro extra, entre outras… As mentiras, em geral, têm duas funções: ou evitam alguma forma de punição ou visam oportunizar a aquisição e o uso da droga no futuro.

Sobre evitar punições, uma omissão ou mentira “bem contada” têm o poder de esconder um uso de álcool ou drogas que por ventura deixaria outra pessoa bastante decepcionada, com raiva ou preocupada com o usuário. De outra maneira, elas podem inibir a tentativa de alguém exercer controle sobre a pessoa que está em uso, seja este controle mais coercitivo ou não.

Já repararam, por exemplo, o que acontece quando alguém está querendo retomar um namoro que todos à sua volta estão “carecas de saber” que não vale a pena insistir? Muitas vezes, a pessoa não conta para ninguém, mas vai assim mesmo. Ela evita que outros tentem controlá-la ou que a repreendam por seus desejos ou iniciativas de “recaída”.

É justamente por impedir a interferência dos outros e garantir a manutenção do uso da substância que as mentiras e omissões passam a ser estratégias amplamente empregadas, aumentando em frequência e também em complexidade no repertório de um indivíduo dependente.

Falar que não vai usar mais e acabar usando não necessariamente é uma mentira. O dependente pode acreditar piamente naquilo que acaba de dizer naquele momento, mas não dispor de meios e estratégias para sustentar adequadamente sua palavra em face aos desafios surgidos. Trata-se de um erro de cálculo, muitas vezes embaraçoso e difícil de explicar.

Por outro lado, dizer aquilo que o outro quer ouvir como, por exemplo, “o primeiro passo é aceitação da impotência diante da droga” pode se assemelhar muito a uma mentira. Dar respostas prontas, assim como mentir, pode ter a função de evitar punição! Eventualmente, o que a pessoa realmente gostaria de dizer seria algo como “ainda tenho dúvidas se eu preciso parar de usar drogas. Gosto muito de ficar ‘doido’!”. Aqui, uma questão importante é o papel que o interlocutor exerce neste contexto! Quanto mais fechado ele está a ouvir o que o usuário de substâncias tem a falar, julgando, criticando ou ameaçando, maior a chance do usuário não ser “verdadeiro” com ele.

naofalar2_G

Quando o relacionamento com um dependente passa a ser permeado por mentiras, as pessoas podem se sentir muito tentadas a desmarcara-lo a todo instante. A família entra num jogo de “gato e rato” exaustivo para ambas as partes. Sentimentos de raiva, pena e carinho se confundem. Nesta situação, o contato com profissionais que possam avaliar e orientar a família sobre como proceder pode ser um diferencial na evolução do paciente.

Quer compartilhar suas dúvidas? Poste-as nos comentários!

Para conhecer mais do nosso serviço, clique aqui!

5 comentários sobre “Por que o dependente químico mente?

  1. A abstinência de drogas como a cocaína pode fazer o usuário se sentir inseguro , pedindo tempo num relacionamento , mandar a pessoa embora , querer “um tempo ” dizendo que não sabe se consegue cuidar de outra pessoa? Ô que fazer em um caso desses ?

    Curtir

  2. Me relacionei durante dois anos com um viciado em cocaína, no qual foi impossível continuar me relacionando.Pois além de ser inseguro é um verdadeiro manipulador . Sedutor , mentiroso e incapaz de reconhecer seus próprios erros,sendo a culpa sempre de quem lhe é mais próximo.

    Curtir

  3. Me relacionei com uma pessoa que por mais que fosse dependente assumia a verdade e até timha vontade de mudar, o problema é que não é ele quem manda no seu organismo é a droga. Por causa de mentiras e por ter colado o vicio acima de tudo na vida, inclusive do amor próprio meu relacionamento chegou ao fim. Tive vontade de mudar tudo, mas não acredito na recuperação permanente de um viciado e o sofrimento causado me fizeram desistir. Ainda gosto dele e ele gosta muito de mim, mas preciso zelar meu psicológico.

    Curtir

    • Taliane, o resgate do amor próprio e autocuidado são atitudes muito importantes para quem cuida ou está próximo a um dependente químico. Ficamos felizes em saber que você esteja zelando por seu psicológico. Entendemos que esse “basta” é um movimento importante não apenas para você, mas também para o dependente químico. Talvez assim, ele reconheça as perdas decorrentes do uso da droga, o que é importante para o aumento da motivação para mudança e engajamento em tratamento.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s