Não fuja da dor!

O processo de interrupção do uso de substâncias psicoativas pode ser uma jornada complexa, cheia de desafios e situações conflitantes. Aquele que se propõe a tal objetivo pode se encontrar, por diversas vezes, confuso entre motivações ambivalentes e sentimentos contraditórios.

Isso é bastante normal e esperado no tratamento. Durante muito tempo a droga (lícita ou ilícita) ocupou um importante papel na vida da pessoa. Buscar um novo estilo de vida no qual ela não mais faça parte é um processo de mudança intenso e profundo e, como tal, implica em dúvidas, incômodos e transformações.

Assim sendo, é comum que, mesmo que a pessoa esteja motivada para não usar a substância, ainda assim tenha pensamentos sobre ela e sinta desejo de consumi-la. Pode parecer um pouco contraditório, mas o desejo de consumir a droga e os pensamentos sobre a mesma não dependem exclusivamente da vontade da pessoa, tampouco estão sob controle da mesma.

AngelDevilOnProgrammersShoulders

Mas como assim eu não controlo os meus desejos e pensamentos?

Podemos considerar que nossos pensamentos e sentimentos são produtos das situações que vivenciamos. Assim sendo, é provável que uma pessoa que tenha uma história de uso de determinada substância lembrará e desejará a mesma em situações que foram previamente associadas ao consumo. Os gatilhos ocasionam tais sentimentos e pensamentos, independentemente da vontade da pessoa.

Lembre-se: não temos total controle sobre os nossos pensamentos e sentimentos, mas podemos exercer controle sobre nosso comportamento.

Se eu penso sobre a droga e sinto vontade de usá-la significa que estou falhando no tratamento?

Absolutamente não! É provável que todos aqueles que se propuserem a interromper o uso tenham fissuras e pensamentos sobre a substância. Na verdade, por mais que sejam ocasiões desagradáveis, de certa forma é desejável que elas ocorram.

Situações nas quais nos recordamos e desejamos a droga são, provavelmente, situações nas quais a droga cumpria um papel em nossas vidas, como uma espécie de ferramenta ou aliada. Passar por elas sem incorrer no uso causará certo grau de desconforto e incômodo, mas também nos possibilitará o desenvolvimento de habilidades fundamentais.

Para que se consiga interromper o uso da droga, é necessário mais do que apenas a força de vontade. É fundamental que se desenvolva um novo modo de lidar com as dificuldades e desconfortos do cotidiano.

Não devo então focar meus esforços no controle desses sentimentos e pensamentos e nem me recriminar por tê-los?

no-stop-hand-disbelief-distraught-600x426

Exatamente. Isso pode se mostrar um esforço improdutivo e frustrante. Devemos buscar reagir de forma diferente àquela que estamos acostumados quando essas situações ocorrerem. Assim, conseguiremos quebrar as associações existentes entre tais situações e o uso da droga, tornando menos provável que tenhamos pensamentos sobre ela e vontade de usá-la no futuro.

Lembre-se sempre: situações de desconforto e fissura são oportunidades para o crescimento e, cada vez que passamos por ela sem usar, estamos nos fortalecendo no processo de busca pela abstinência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s