Tratamento Ambulatorial ou Internação: qual a ajuda mais adequada?

Quando procuramos ajuda em relação ao consumo de alguma substância psicoativa, ou quando buscamos o tratamento para algum parente ou pessoa próxima a nós, frequentemente nos deparamos com questões complexas e nem sempre temos a quem recorrer para nos orientar. Conseguir respostas para essas questões pode ser determinante para que tenhamos uma boa evolução no tratamento e consigamos alcançar as metas desejadas.

Uma das primeiras e principais dúvidas que surgem nesse processo de busca por ajuda é em relação a qual modelo de intervenção se configura como o mais adequado para o nosso caso: o tratamento ambulatorial ou a internação

Cada modelo possui suas vantagens e particularidades, características que podem ser mais adequadas e proveitosas de acordo com cada condição. Antes que se decida qual caminho escolher, faz-se necessário uma análise estruturada do caso.

O Tratamento Ambulatorial 

Quando dizemos “Tratamento Ambulatorial” estamos nos referindo ao modelo de tratamento no qual a pessoa comparece ao consultório na frequência combinada e realiza as orientações propostas pelo seu terapeuta, permanecendo inserida, na medida do possível, nas situações e instâncias do seu cotidiano.

Como principal vantagem do modelo de tratamento ambulatorial destacamos a possibilidade de desenvolvimento de habilidades e repertórios para lidar com as situações do cotidiano, principalmente aquelas consideradas como de risco ou gatilho.

O sucesso em conseguir alcançar os objetivos a longo prazo não depende exclusivamente da força de vontade do paciente. É imprescindível que o sujeito consiga adquirir e desenvolver ferramentas e habilidades que lhe serão úteis para lidar com as mais variadas situações adversas em seu contexto. Essas situações podem ir desde problemas no trabalho, questões financeiras, atritos conjugais e familiares, convites para o uso de substâncias, até mesmo a vivência de fissura e de sintomas de abstinência propriamente ditos.

Outro ponto a ser considerado é que interromper todas as atividades pelas quais é responsável e se afastar das pessoas de seu afeto podem ser empecilhos importantes e gerar resistência na procura de tratamento pelo usuário de substâncias.

A Internação

Sabemos que a internação costuma estar fortemente associada a uma imagem negativa de adoecimento e de completa falta de controle, causando no indivíduo ainda mais repulsa pela possibilidade do tratamento. Porém, existem casos nos quais a modalidade de internação é, sim, a mais indicada.

Consideramos como critérios para escolha por tal abordagem de tratamento algumas das seguintes características presentes num quadro de uso de substâncias: risco de autoextermínio, risco para a integridade física de terceiros, exposição social severa em razão do descontrole sobre o uso e falência das alternativas prévias de tratamento ambulatorial.

Importante ainda salientar que, mesmo optando-se pela internação, é fundamental um acompanhamento ambulatorial no período pós-alta. Embora a internação conforte o familiar em relação a redução momentânea do risco de recaídas, a mudança de comportamento somente se sedimenta e consolida no dia a dia vivido pela pessoa.

Internação X Ambulatorial 1

Lembrem-se

A determinação sobre qual modalidade de tratamento escolher deve ser feita conjuntamente entre paciente, família e equipe profissional especializada. Importante é saber que existem possibilidades de tratamento que podem ser mais adequadas para cada caso. Caso tenha alguma dúvida ou observação, poste em nossos comentários!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s